Curta: Os Fantásticos Livros Voadores do Sr. Morris Lessmore

16 de janeiro de 2016

Reprodução: Google.
Saudades do clima geladinho em Sampa City mas acho esse sol muito desnecessário.

Olár, humanos. Faz um tempinho que ando com vontade de editar essa postagem mas nunca encontrava-me em paz de espírito para fazer algo que prestasse porque comigo é assim: ou fica uma coisa boa ou deixa em rascunho até eu estar bem para fazer algo com conteúdo. Não, não faço nada correndo e muito menos com má vontade até porque quando estou escrevendo abro-me completamente para vocês, quero que sintam o que sinto enquanto digito cada letra e formo cada frase, quero sorriam meus sorrisos e chorem meus choros, e não quero leiam uma matéria meia boca, não vindo do blog Disse o Corvo. Anyway, quero mostrar para vocês um curta que eu guardo com todo o carinho e amor do meu enegrecido coração para vocês borrarem suas maquiagens pretas feitas com tanto esmero *risada maligna*. "
Ah, Pri, mas já estamos crescidos para ver curtas!", quem pensou assim irá enganar-se grandemente pois a alma do negócio está nas pequenas e simples coisas da vida e isso inclui aqueles curtas que vocês não clicaram enquanto assistiam algum anúncio no youtoba Youtube. A menos que você tenha o Adblock instalado mas isso não vem ao caso. Voltando ao assunto, esse curta foi indicado pelo Jefferson, meu amigo de infância, enquanto conversávamos sobre os aleatórios do dia. Não assisti na hora, recordo-me de ter desligado o notebook e ido pra rua bater papo, porém quando voltei pra casa ainda eu continuava sem nada para fazer então resolvi caçar algum filme para dar sono e ir pra cama. Não havia achado nenhum que me agradasse, catei o note e cliquei no link que ele me mandou. Foi amor à primeira vista! Sério! Marquei minha irmã e mais alguns amigos lá no facebook e os obriguei a assistir essa leve e gostosa história para que eles pudessem renovar suas almas de leitores que aos poucos foram se apagando na fase adulta rodeada de trabalho e faculdade.

Pela sinope do Filmow: "Vencedor do Oscar 2012 de melhor curta animado, é uma homenagem às comédias de Buster Keaton, O Mágico de Oz, e o prazer de ler livros. Mesclando diversas técnicas de animação o premiado ilustrador/autor William Joyce e o co-diretor Brandon Oldenburg criaram uma história que combina com o espírito nostálgico do Oscar desse ano, que celebrou "O Artista" e "A Invenção de Hugo Cabret", duas cartas de amor aos pioneiros do cinema".

Os Fantásticos Livros Voadores do Senhor Morris Lessmore ambienta-se em New Orleans, no ano de 2005, onde muitos estados dos USA foram devastados pelo furacão Katrina, então sim, a tragédia do começo é baseada em fatos reias. Triste, concordo, mas os diretores não se apegaram ao desastre natural e nos mostraram que em meio a destruição e tribulação, a vida pode nos pregar alguma peça e é isso que acontece com o sr. Morris. Ele estava cabisbaixo porque as letras do livro que escrevia na varanda haviam sumido das páginas e isso me recorda todos que temos o hábito da escrita: quantas vezes estamos no ápice da inspiração, com a tinta da caneta a todo vapor ou os dedos digitando como se tivessem vida própria e do nada tudo some? Tem sentimento mais doloroso e confuso do que esse? Sim, acabar a Nutella. Mas não vem ao caso.


Nós, escritores por paixão, entendemos o por que de Lessmore ficar em total desânimo e deixar tudo tornar-se preto e branco em sua volta. Mas aí que está o "Q" da questão: o poder transformador da leitura em servir como lápis de cor em nossa vida. A pessoa que lê é repleta de cores e sentimentos e isso acontece quando ele ousa mudar sua postura e erguer a cabeça para o alto,encontrando uma moça planando no ar com livros voadores e a saia repleta de letras. Segundo os diretores, "é uma história de pessoas que devotam suas vidas aos livros e livros que retribuem o favor". Nunca me senti tão honrada em ler como me senti ao ver essa animação. O que me emociona é a forma simples e singela de como essa mensagem nos foi dada da real importância da literatura na sociedade usando a história de pessoas que são apaixonadas por livros, mostrando que de certa forma, tudo fica mais colorido e bonito com as palavras.


Acompanhamos então o convívio do pacato moço de New Orleans, após ver uma moça voando com livros, encontrar um lugar abandonado que precisava imediatamente de cuidados. Não demorou para se apegar e renovar o fôlego de vida naquele lugar, nos dizendo que mesmo nesse mundo de correria e pouco tempo para ler, as histórias imploram para serem lidas de novo e de novo, novamente e sempre. Sem parar, sem esquecer. E Morris abraça a biblioteca misteriosa com todo o amor que nele continha, levando cores para a vizinhança dessa cidade nova na qual havia caído durante o furacão. Nesse lugar, cada livro conta uma trama: algumas felizes, outras tristes, umas mais sérias e outras divertidas. Enquanto se perde por essas páginas, ele vai também escrevendo a história da sua própria vidaAté o findar de seus dias, enquanto restaura livros antigos e os distribui para a população, sendo assim um bibliotecário carinhoso e observador, que achou um propósito em sua vida depois do desastre. Vou parar de falar pra cês assistirem ao curta.

DÁ UM PLAY AQUI...


O final desse curta, migos e migas, é lindo. Chega chorei aqui. ♥


Cá entre nós, não é uma beleza de curta? Dispensa palavras, foram os 15 minutos mais bem gastos da minha vida e por isso vim compartilhar com vocês para que possam espalhar a história do senhor Morris Lessmore por suas redes sociais e trazer a cor da leitura de volta aos que a muito vagam num mundo de palavras embaralhadas e preto e branco. Nada contra tais cores, amo quando se juntam e formam o cinza mas ter toda a aquarela dentro do peito é algo extremamente esplendido. Viram que fotografias mais lindas do curta? É um amor, sério. Por isso que eu estava louquinha para mostrar a vocês porque fiquei envolvida por esses livros com vida, quem não queria estar no lugar do sr. Morris Lessmore? Não é à toa que recebeu um Oscar, até pego-me imaginando os críticos enquanto analisavam a obra para enfim dar o veredito de sua classificação. Tenho certeza que lágrimas de ternura escorreram de seus olhos feitos de pedra. Só assistam. Enfim.

Me digam, o que acharam do curta? Já esbarraram com ele por aí? Qual foi o sentimento desperto em vocês? 

Ah, esse ano prometo parar de acumular livros e liberar as resenhas que tenho rascunhadas aqui porque né, Poe tá só de olho no povo que lê não indica pros amigos, haha. Um beijo e um queijo. ♥

13 comentários:

  1. Fiquei MEGA apaixonada :o


    Ana ♥
    http://aruivablog.blogspot.pt/ N/POST

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Me identifiquei bastante com você. ''porque comigo é assim: ou fica uma coisa boa ou deixa em rascunho até eu estar bem para fazer algo com conteúdo'' é o meu lema. Não dá pra ''empurrar as coisas com a barriga''. Por mais que a gente queira escrever, tem horas que não sai uma mísera ideia e o melhor é deixar pra depois e retomar quando a boa ideia chegar. O que não dá e escrever uma coisa completamente horrível só por escrever.
    Parabéns pelo post! Achei muito bem escrito e detalhado. O curta é realmente um amor <3
    Abraços!
    https://blogladoescuro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie!! Que bom que se identificou, porque convenhamos, dá pra reconhecer quando um post é feito sem vontade. Sentimos isso ao começar a ler e a vontade é deixar um comentário pra pessoa se tocar que aquilo vou desagradável de ingerir. Isso me deixa extremamente furiosa, ou faz direito ou deleta o blog e vai procurar o que fazer. Enfim, o curta é muito carinhoso com o leitor, amo assisti-lo sempre que aparece no aleatório do youtube, é uma surpresa a cada vez que o vejo. Que bom que amou, flor. Beijão. ♥

      Excluir
  3. Adorei você contar sobre o que você fez antes de assistir esse filme.
    Que saudade que eu tenho de ficar conversando na rua com amigos e pessoas especiais, infelizmente tem anos que não faço isso, sinto saudades. =/
    Eu gostei muito do filme, pela sua resenha é uma animação maravilhosa e também emocionante.
    Vou ver se assisto antes de dormir, deve ser uma maravilha ver e aprender com cada personagem e situação.
    Beijos. ♥

    Diário da Lady

    ResponderExcluir
  4. Priscila gostei bastante do curta, apaixonada pelas fotografias lindas, nunca prestei atenção nos curtas, mas agora vendo aqui no seu post gostei de ver, já mudei de ideia, mesmo a gente já crescidos curtas não deixa de ser emocionantes, vc tem razão é uma beleza de curta, parabéns pelo post, bjs.

    ResponderExcluir
  5. Oi Priscila, tudo bem?

    Ainda não tinha ouvido falar desse curta, mas pela sua resenha fui totalmente envolvida. Acho muito bonito que os autores tenham colocado um fato tão importante para a história dos EUA no início, mas que não tenham trabalhado a tristeza do furacão e sim o depois. Acho que seria um curta que também me emocionaria e me envolveria, pois quando se trata deste universo da leitura, tudo se torna magnífico e encantador para mim. Você é perfeccionista e esse post mostra isto, você conseguiu transbordar todos os sentimentos uq e desejava e cá estou eu, assistindo ao curta neste momento. Espero que seja tão magnífico para mim, quanto foi para você!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Não tenho costume de ver curtas mas vez ou outra aparece alguns cheio de encanto, significado e inspiração de vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito chato saber que tu não lestes o post e tampouco vistes o curta porque a mensagem do vídeo acima é totalmente diferente do que disseste. Que feio.

      Excluir
  7. Eu não posso negar que sou a curiosidade em pessoa, então ao ler tua postagem, fiquei curiosa em assistir o curta, e laro que assisti achei fofo, uma forma bonita de mostrar os livros, sua essência e tudo que eles nos dão em prazer e saber ...
    Minda
    Bjs ❤

    ResponderExcluir
  8. Simplesmente maravilhoso o curta e já tenho o hábito de assisti-los. Ao meu ver, é um exemplo de como podemos renascer diante de grandes tragédias e também que não devemos nunca desistir de nossos sonhos (isso no geral na vida, independente dos livros). A fotografia é mesmo linda e totalmente integrada com a trilha sonora e também senti um aperto no coração, até pq percebemos que da vida toda só algumas coisas permanecem. Será que estamos fazendo o necessário?! Nosso personagem fez! Ah, parabéns pela forma que trabalha com o blog, concordo com vc, se é pra se doar, que seja por completo.

    *☆* Sorteio rolando no blog. Participem. *☆*

    ResponderExcluir
  9. Confesso que a parte que mais me atraiu foi "se passa em New Orleans"... Morro de vontade de conhecer esse lugar! Kkkk. Adorei ler o seu texto!

    http://eiilauram.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Eu vi algum comentário do curta, recebeu algumas críticas, mesmo apesar dos comentários negativos, eu estava curioso para vê-los, eu estava tremendo com final, adorei vê-lo. A vida dos seres humanos, mostrando isso de uma maneira, tudo fica mais colorido e bonito com as palavras. Eu amei ainda mais que, ele lembra multissimo em algumas cenas do filme "O Mágico de Oz"...Você caprichou na resenha, quando estamos na vontade de fazer algo acontecer para que nós façamos perfeitamente.

    ResponderExcluir
  11. Ah que lindo, para uma amante de livros como eu a dica do curta foi ótima, vou até salvar para assistir assim que possível. Realmente os livros clamam para serem lidos e eles tem o poder de nos tirar de qualquer mar de melancolia, os livros são pura vida <3

    MEMÓRIAS DE UMA LEITORA

    ResponderExcluir

1. Espalhem amor, e não ofendam.
2. Digam ao Zane Holtz que eu tenho interesse.
3. Ler a postagem toda antes de comentar não mata ninguém e valoriza o trabalho de quem criou.
4. Deixem seus bróguinhos para eu visitar.
5. Aos spamzentos: vão fazer spam num tabuleiro Ouija, obrigada.
6. Assistam Black Sails. ♥