Pipocando: Imaginaerum by Nightwish

27 de dezembro de 2015

Merry Xtmas atrasado, amores.

Enfim se passou o dia 25 de dezembro do ano de 2015, minha data favorita fora o Dia das Bruxas, é um dia que deixo para fazer exatamente TUDO que mais gosto: acordar tarde, comer gordices no café da manhã, ficar de pijama o dia todo e, por fim, assistir filmes natalinos. Tudo muito clichê, eu sei. Não me importo, o que gosto mesmo é comemorar sem exageros, porque a única época que exagero mesmo é o Halloween. Mas o natal, ah, quem me fez amá-lo foi o sr. Tim Burton mas deixo esse post para a próxima. Por que celebro o Natal? Pelo fato de ser o nascimento de Jesus Cristo. Como venho de uma família tradicional, sempre tivemos o hábito de lotar a mesa de comida e ir comendo ao decorrer da tarde até que chegasse meia noite e todo mundo celebrava em ceia. E não, esse post não tem intenções religiosas, simplesmente foi só para esclarecer os fatos então #FICADICA
Como sempre, o pessoal de casa sai para ficar a parentela e eu escolho por ficar em casa porque, como vocês sabem, eu amo ficar sozinha. Então começa o ritual de preparar o copo de nescau gelado e as gordices ao meu redor, para então assistir Imaginaerum, filme da banda Nightwish.
Segundo a sinopse do site Filmow: "é um filme fantasioso baseado na música do 7º disco de estúdio da banda finlandesa Nightwish, que carrega o mesmo nome e tem 13 faixas. O protagonista do filme é um compositor com uma imaginação de outro mundo. Ele é um senhor de idade que pensa ainda ser um garoto. Enquanto dorme, ele viaja em seu passado distante, onde seus antigos sonhos retornam misturados com o mundo de música e fantasia do menino. Em seus sonhos, o senhor luta para encontrar as memórias que mais lhe importavam". Confiram o trailer do filme.


Sou uma cinéfila sem frescuras, assisto qualquer tipo de filme. Claro que tenho os meus favoritos, mas prefiro assistir de tudo um pouco para manter meu conhecimento em aberto. Se tem um gênero que não tenho a menor paciência para ver são os românticos, mano, que coisa chata! Porém, não importa se são de fantasias, sci-fi ou documentários, lá estarei assistindo. O que mais gosto nesse filme? O cenário. Todo azul, cor morta, a casa do compositor, o seu leito de dor. Perfeitos. A trilha sonora apaixonante apenas com músicas do álbum, os atores britânicos tão bem encaixados nos personagens e além disso, todos os membros da banda aparecem em papéis pequenos: Anette é Ann, Tuomas é Tom, Marco é Marcus, Emppu é Emil e Jukka é Jack, as semelhanças entre os nomes foram intencionais do diretor para que o público possa sentir a presença da banda ao decorrer do longa.
Bom, quando estreou o álbum Imaginaerum, em 2011, eu praticamente surtei porque o tema dessa vez era a arte circense, e quem me conhece sabe que sempre fui fascinada por esse universo que para muitos é um sinônimo de horror mas para mim, beleza aos meus olhos. Ao contrário de muitos, não tenho medo de palhaços. Sempre me fantasiei de Pennywise, o que conhecemos pelo filme It - Uma Obra Prima do Medo, do Stephen King então nunca foram problemas para minha pessoa. Anyway.


Toda a pegada de Imaginaerum nos faz pensar: "O que deu em você, Tuomas?", para quem não gosta de Nightwish ou quem nunca escutou, vai rotular de cara: "Que coisa mais infantil!". Mas não é infantil, sua ostra! É um lema diferente que a banda tomou para si, e como Tuomas, que além de tecladista é compositor, baseou-se em seus anseios antigos, medos infantis, para compor o último álbum com a Anette Olzon — que havia entrado no lugar da diva Tarja Turunen — e confesso para vocês, mereceu o título e o topo das paradas na Finlândia. Tuomas Holopainen, miga sua louca a senhora é destruidora mesmo hein viado. Dessa vez a Anette não desafinou. Obrigada, Deus!
E como se não bastasse essa onde de coisas boas, resolveram lançar um filme com o mesmo título do álbum. E conta com a presença do próprio Tuomas participando da montagem do filme. A princípio, eu achava que seria apenas uma coletânea de video clipes da banda porque na época, em 2012, não haviam liberado nada sobre o filme, apenas o cartaz a ser divulgado:


Imaginem a situação dos fãs como eu sem nenhuma notícia, sem um teaser, nem trailer, nem fotos promocionais? É de enlouquecer, ou perder a fé de sair alguma novidade. Porém liberaram todo o conteúdo de uma vez, não me recordo o dia, obvio, mas já estava disponível na página do facebook o trailer, as fotos, os comentários e as datas de estreias ao redor do mundo. Não teve no Brasil, uma pena, só puder analisar a obra através dos torrents mas acompanhei de pertinho a divulgação. Os atores do filme são desconhecidos para nós pois são todos da terra da rainha, Inglaterra. Mas mostraram-se confiantes e profissionais, todos expressivos, focados. E a trilha sonora, ah a trilha sonora, totalmente composta por Tuomas, faixas do álbum bem encaixadas, os instrumentais bem engajados, uma delícia para nossos ouvidos.
A trama conta a história de Thomas Withman, um ex músico de 75 anos de idade, onde encontra-se em fase terminal da demência. Vemos ele agarrando-se a vida através de suas memórias onde sua filha, Gem, uma estranha para ele, tem que tomar a difícil decisão de assinar os papéis para por fim ao sofrimento do pai, ou seja, desistir de reanimá-lo.  Mas o que para muitos é uma sofrência de sua loucura, para o idoso é sua mente mergulhando num mundo de fantasias onde revive seus momentos de criança. Então as cenas focam em Thomas conhecendo Ann no orfanato, onde adquire um globo de neve com uma figura dançarina por dentro, a Arabesque, que não funciona apenas com o acorde certo. Ele faz amizade com um boneco de neve chamado Sr. White, que no começo parece ser amigável enquanto leva o jovem a passear nos altos céus congelantes, na montanha russa de suas lembranças, mas então mostrasse o verdadeiro vilão da trama, o responsável pela perda de memória da criança. Enquanto perseguiam o avião Theodore, seu pai, o garoto despenca e cai num mundo abandonado e surreal, o que encantou meus olhos pois é onde vemos a banda contracenando. Thomas entra numa casa de bonecas e encontra ele, Ann e os outros integrantes cantando Slow, Love, Slow em trajes de gala, numa pegada de Jazz. Som que foge totalmente ao metal sinfônico do Nightwish.


Temos também cenas de Gem conversando a Ann idosa, a mesma tenta explicar os motivos de seu pai ter deixado-a de lado mas, bem sabemos, que um coração machucado não quer saber de curativos então Gem mantem-se firme em alimentar o desprezo por Thomas. Tem momentos que confesso odiá-la mas tenho certeza que em seu lugar eu agiria da mesma forma, afinal não temos tempo para mergulhar no mundo de um músico maluco que abandonou a filha. Continuando, o filme então vai para o Sr. White tentando apoderar-se do jovem então esse corre até o Cirque d' Morgue, Imaginaerum, onde vai para uma das minhas músicas favoritas do albúm "Scaretale". 
Então o Nightwish aparece como eles próprios, em pleno Metal e dramatização e até hoje sou louca pelo vestido que a Anette usou para ser uma versão de Branca de Neve maldosa e envenenada. Dá-se isso pelo fato da mesma comer uma maçã podre e veneno escorrer de sua boca.


Em Scaretale, vemos todos zombando das fantasias de Thomas, o que faz o jovem ficar triste e revoltado. Há uma Gem ressentida, maldosa, contribuindo com as zombarias enquanto pega uma serra e vai abrindo a cabeça do idoso. De lá de dentro vai retirando suas memórias e expondo-as para todos ouvirem, lembranças em bolas de papéis amassados, escondidos dentro do compositor, que depois tem muita significância para o rumo do filme. Isso me faz recordar os medos infantis que muita gente tem com coisas bobas como palhaços e circos, eu particularmente não os possuo pois sempre gostei da arte circense mas sei como isso pode parecer perturbador, ainda mais para uma criança que vê que seu sofrimento no leito de morte é diversão para os outros.

Um contraste que eu amei ver nesse filme fora o de "Slow, Love, Slow" com a "Scaratale", tanto no album quanto no filme porque até agora não vi nenhuma banda que mesclasse tanto no estilo quando o Nightwish realizou de uma banda de jazz para um metal sinfônicoEntão seus problemas de memória começam, vemos Thomas idoso correndo atrás de Gem adulta, um Thomas jovem correndo atrás da garota ruiva em um campo de batalha. Há também flashbacks onde Tom vê seu pai cometendo suicídio e depois ele mesmo jogando o globo de neve da Arabesque contra a parede. Essa parte é linda, triste, mas linda. Pois quando ela é lançada, acompanhamos a dançarina se movimentando por dentro ao longo da queda e ao ser quebrada, a moça é vista pela criança praticamente morta ao chão. Sim, eu chorei nessa parte. Foram lágrimas sinceras, gente. É bem clichê o tema abordado mas caiu como uma luva, para os fãs de Nightwish, cada referência é uma lágrima quente que rola no rosto. Tuomas, a senhora é lacradora, viado.


E voltamos para o mundo real onde Ann idosa abre o cofre do compositor e encontra suas letras em folhas, todas bagunçadas, e num ato de raiva Gem as lança para o alto e todas se espalham pelo chão. Vem então a "Turn Loose the Mermaids" de fundo, enroscada com a música "Arabesque" e a "Song of Myself", acompanhando as folhas caídas que, na verdade, foram escritas com o sangue de Tom em cor preta, semelhante a tinta de caneta de pena. E vale ressaltar os soldadinhos de brinquedos de Tom ganhando vida e vindo saudá-lo em sua aproximação da morte — infelizmente — é algo inevitável. Também tem a presença da song "Rest Calm" e todo o coral de vozes de crianças para fazer os meus feelings chorarem lágrimas góticas. Se repararmos bem no cenário, enquanto Gem e Ann conversam, vemos vários álbuns espalhados nas paredes e dentre eles há o Dark Passion Play e o Century Child expostos, tudo para sentirmos a presença deles de pertinho. 


Segredos são revelados a Gem sobre a morte de sua mãe, claro que todo o ressentimento é justificável mas Ann diz que no dia do falecimento da mesma, Tom estava com ela pois estava tentando suicídio, por isso a banda estava sempre presente na vida de seu pai, e para não ferí-la, ele simplesmente a afastou de suas loucuras. Poderia não ter sido uma boa ideia, afinal. Tem uma parte em que falta energia na casa em que Gem está, de Thomas, e ela começa por si própria montar o conjunto de escritas pelo caminho até encontrar um padrão para explicar tudo aquilo. Com todas as letras juntas, Gem descobre o amor imenso que ele sentia por ela, mesmo com sua demência o consumindo por completo.
E tudo isso ao som da minha música favorita: "The Crow, The Owl and The Dove", traduzindo "O Corvo, a Coruja e a Pomba", que é a melodia mais linda que o Nightwish compôs desde a "Dead Boy's Poem".


Tem um confronto final entre Thomas e o Sr. White para que sua última memória seja restaurada e a música escolhida foi "I Want my Tears Back", não ela toda, e sim as gaitas de fole tocada.
Uma parte que me toca bastante é quando Gem retorna pra casa de Tom e vê imagens de sua infância sentada ao piano com o pai, então, num impulso, ela senta e toca suas teclas suavemente. Algo dá errado ao tentar tocar, Gem levanta a tampa do piano de cauda e acha uma plaquinha enroscada entre os fios, ela remove e coloca novamente no globo e só então ela percebe que seu nome é montado por notas músicas " G Em " em menor. Tom havia falado que se fosse tocado do modo correto, a dançarina Arabesque giraria. Mas o final... Ah! Esse eu deixo por conta de vocês. Beleza?


Então, esse é o filme que assisto SEMPRE no dia do natal, por isso não sou uma pessoa muito comum, hehe. Tentei comprar o dvd e o cd pelo site mas até hoje não chegou, perdi as esperanças. Ainda bem que temos a internet, baixei o álbum e o filme para manter na minha coleção de estranhezas bem guardados. E por que eu sei dessas coisas que anotei nesse post? Simples, porque eu venho repetindo esse ritual do Cirque de Morgue desde 2012, todo dia 25 de dezembro, sempre à tarde, trajada de pijama, pisca-pisca no quarto e uma caneca caprichada de chocolate. E amo muito tudo isso! E deixo para vocês o video clipe oficial do álbum Imaginaerum, a música escolhida foi "STORYTIME", dá pra ver algumas partes do filme nele mesmo que atrás das cenas:


O que vocês dizem? Já assistiram esse filme? Qual filme com clima natalino que vocês espiam nessa época do ano? E não vale ser The Nightmare Before Christimas do Tim Burton, hein? Tô de olho. Simplesmente maravilhoso, os fãs da banda saberão como apreciar esse filme. E como me sinto toda vez que assisto Imaginaerum? Bom, é difícil dizer... Um beijo e um queijo.

6 comentários:

  1. Me deu muiiiita vontade de ver! Eu curto essas coisas mais "bizarras" sabe?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom! Não considero bizarro, afinal é um filme bastante clichê porém o que eu gostei foi a trilha sonora ser inteiramente do Nightwish. E com a banda Nightwish atuando! Quem conhece a banda, desde a época da música Nemo com a Tarja, sabe o quão gratificante é ver a banda contracenando, simplesmente amooooo ♥

      Excluir
  2. Oi, Pri! Há um tempo não ouço o Nightwish, mas acho que é hora de retornar com eles! rsrs A propósito, amei ter encontrado teu blog, vc não sabe como é difícil encontrar blogs alternativos brasileiros! <3 A escolha do nome foi ótima, amo o Edgar!
    Se quiser ver o meu blog, é esse aqui: www.yeahitsallmine.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não ouço o Nightwish desde o cd novo que lançaram com a Floor Jansen, sei lá, não me agradou muito. Dá vontade de dar uns tapas no seu Tuomas por causa disso, hahaha. Retorne, após a Tarja lançaram muitas músicas boas ♥
      Ai meu deuso, me bêja, ganhei o dia com teu comentário! Depois de tanta gente criticar pedindo conteúdos de vlogs e beleza, confesso que desanimei e muito com o canto do corvo sabe. Amei o modo como classificou hahaha. Edgar é um divo, foi a única forma que encontrei de homenageá-lo. E darei uma passada no seu blog!

      Excluir
  3. P* QUE PARIU! Melhor post da vida, de toda Blogosfera, de tudo! Eu já era apaixonada pelo o Disse o Corvo antes, agora que vi esse post meu amor aumentou mais ainda. Juro que ainda não tinha visto, MEU DEUS! Estou sem palavras, tu sabe o quanto sou fã de Nightwish, principalmente do Marco e vim aqui (que é um dos meus Blogs preferidos) e ver esse post foi de fazer meu coração bater forte. ♥ Confesso que não gosto do Tuomas por ser tão babaca, mas ele é um gênio, ele não dá ponto sem nó. O cara é fodido de inteligente e além de ser ryco e poderoso. Adoro tuas indicações de filmes, teus gostos são ótimos e por favor, nunca pare.

    ResponderExcluir
  4. Eu amei esse filme. Amo o Nightwish desde meus 11 anos, e ao contrario da maioria, AMOOOO a Anette, também amo a Tarja e a Floor, mas não acho que o Night decaiu com a segunda cantora. Para mim a alma da banda é o compositor, então o Night continuou ótimo mesmo sem a Tarja.
    Eu sou artista circense em treinamento, por isso amei a pegada do cd, lembro de ter ouvido algumas músicas quando lançou e achei muito lindo, aí um dia passeando na galeria com meu pai, vi o cd a venda e comentei dele e meu pai simplesmente comprou pra mim do nada. É uma trilha maravilhosa, para mim é o mehor album do Night até hoje, tudo muito trabalhado épico!
    Eu surtei bastante quando fiquei sabendo do filme e esperando por ele, quando finalmente consegui baixar e assistir, outro surto, cantava todas as músicas que tocavam e ficava histérica, minha amiga vendo comigo com maior desinteresse me matava. Chorei demais bom ele <3

    Bites!
    Tary Belmont

    ResponderExcluir

1. Espalhem amor, e não ofendam.
2. Digam ao Zane Holtz que eu tenho interesse.
3. Ler a postagem toda antes de comentar não mata ninguém e valoriza o trabalho de quem criou.
4. Deixem seus bróguinhos para eu visitar.
5. Aos spamzentos: vão fazer spam num tabuleiro Ouija, obrigada.
6. Assistam Black Sails. ♥