Os Mais Lidos de Agosto e o Desabafo Contido

6 de setembro de 2016

Reprodução: Stocksnap.

What's up people! Eu sei, eu sei. Estou atrasada novamente com esse Mais Lidos de Agosto mas fazer o que se só me toquei que esse mês acabou tipo ontem? Sem contar que tenho uns trocentos posts salvos em rascunhos onde tudo o que consegui escrever sem me distrair foi o 'what's up, people'. Não me apedrejem, eu prometo melhorar, ok? Sem mais delongas, vamos ao que interessa e não são as tetas magníficas do Henry Cavill. Vamos aos links mais clicados, vídeos mais assistidos e algumas outras coisas que deram na telha.
Conselho do dia: não brinquem com óleo quente e muito menos tentem imitar o Gominho na cozinha porque tem uns tempos já que resolvi fritar meus mini churros enquanto ficava brincando com o óleo e do nada aquela bagaça começou a explodir e foi massa pra tudo quanto é lado, até no teto tinha. Postei até no Snap (disseocorvo) os resultados dos ferimentos e olha, demorou uns bocados para sarar e parar de arder então, crianças crescidas, só vão na cozinha com os pais por perto porque eles podem nos dar uns cascudos quando começamos a exagerar nas brincadeiras. Não vão sozinhos, ok? Paz. Agora bora ao foco senão vou acabar me distraindo com o youtube outra vez:

OS MAIS LIDOS


  • Explorando uma escola veterinária abandonada. ( )
  • A história da máscara mais terrível já criada, a Cabeça de Corvo. ( )
  • Conheça a música ligada a mais de 100 suicídios. ( )
  • Don't Breath tá chegando nos cinemas e aqui tem 10 filmes do iHorror com essa pegada. ( )
  • A super sexualização da Arlequina e sua verdadeira mensagem. ( )
  • Para quem sofre de Ansiedade — não quem romantiza isso por achar bonito — tem 36 coisas que gostariam que soubessem. ( )
  • Sobre como a romantização de Lolita afeta a cabeça fraca da sociedade. ( )
  • Algumas fotografias sobre o preço da beleza marcados no corpo da mulher. ( ▲ )
  • Pais tóxicos são um fardo para os filhos. ( )
  • 10 filmes que retratam a solidão humana. ( )
  • 10 coisas que cês precisam saber sobre Auto Estima Baixa. ( )
  • Texto sobre fazer falta principalmente para quem sabe onde te procurar. ( )
  • Scorsese, ele em pessoa, listou 39 filmes que julga fundamentais para cês assistirem. ( )
  • Lá no blog Blonde Chaos, da Bells, tem um post falando sobre The Girls in the House. ( )
  • E no blog Girl Reckless, da Bru Trevosa, tem playlist com songs nas lives. ( )
  • Sobre a série gostosa Stranger Things, esse vídeo nos mostra suas referências com os anos 70/80. ( )
  • Esse vídeo vai te deixar com vontade de procurar alguma locadora só pela nostalgia de pegar um VHS sobre horror/terror. ( )
  • Finalizando, uma receita de Pão de Alho recheado com Presunto e Queijo. ( )


ETC E TAL...


Bom, quem me acompanha nas redes sociais sabe que tento ao máximo acompanhar as novidades do meu mundo, digamos, nada colorido. Tem algumas estreias na música, alguns filmes que assisti, outros que lançaram e vai indo. Engana-se quem diz que o universo obscuro não tem coisa nova, por ser um assunto mais reservado garanto a vocês que quando menos esperamos, vem um enxurrada de tiros e lacres para nós. Começando com, claro, vídeo novo da banda mais amorzinho EVERGREY. Sempre que posso mostro para meus migos a delícia de música que os caras produzem afinal é sempre bom largar um pouco o Death Metal e procurar algo mais melódico.


Agora sentem aqui com a tia Priscila porque tenho que falar sobre DOPE e como esses homens entraram na minha vida. Conheci o DOPE na mesma época que passei a acompanhar o Mushroomhead — aaaaah lá vem a Pri tentando nos fazer gostar de banda com mascarados — e sim, Mushroomhead é algo que irei falar acho que pro resto da minha vida. Mas enfim, esses moços do Dope resolveram dar as caras e depois de muito suspense nas fanpages acabaram por liberar BLOOD MONEY para os fãs sentirem o que é porrada nazoreia. E não podia ser melhor já que, como sempre, a banda faz comentários ácidos sobre a sociedade globalizada então escutem essa banda pelo amor de Odin que cês vão amar, qualquer semelhança com Mush ou Avenged Sevenfold é mera coincidência.


Cês não acreditam no que eu achei na internet nessas minhas rotineiras vasculhadas no google, um vídeo citando todas as referências de THE CABIN IN THE WOODS no qual eu já havia feito uma postagem sobre esse filme que vocês podem conferir clicando nesse link citando inclusive todos os clichês nele contido. Isso mesmo, clichês, leiam bem antes de comentarem que não gostam do filme por se tratar de clichê porque passei por um puta baita perrengue com pessoas que não leram antes de comentar. Mas enfim, dá um clique aí gente, é divertido. Ativem as legendas para entenderem melhor e caso não manjem de inglês, nesse link aí tem um vídeo no youtube com ele legendado já que a incorporação do vídeo foi desativada, infelizmente.


Mas agora vamos falar de algo mais sério, que não são o belo par de olhos azuis de Travis Fimmel, que é a importância do nosso hábito de escrita servir como um libertador de lágrimas contidas. Assim como na música ÁGUA CONTIDA, da Pitty, que tudo o que fica em demasia dentro da gente vai precisar sair. Na verdade já fazemos isso enquanto digitamos textões nas redes sociais ou quando temos que escrever algo no trabalho mas a questão é: já tentaram passar para o papel tudo aquilo que suas cabeças criativas formam naqueles momentos de distrações com o nada? Eu já e digo que alivia bastante aquela agonia de querer contar mas não poder porque não sabe quem realmente irá prestar atenção, foi por isso que larguei o Orelha do seu Gogh e criei o blog Disse o Corvo, para transbordar tudo o que fica acumulado dentro de mim e tem sido meu aliado fiel nessas horas de crises não só existenciais causadas pelo efeito da insônia na madrugada. Vocês não tem noção do tanto de coisa que minha cabeça doente inventa e me atormenta na hora que não tem ninguém acordado, o excesso do decorrer do dia sai pra fora num misto de lágrimas e risadas nas quais tento ao máximo transformá-los em algo que seja proveitoso para mim. Quem me acompanha no twitter sabe a luta travada que é controlar esse tsunami de emoções, dúvidas, inseguranças, medos, traumas e baboseiras presas naquele âmago todo. É quando pego a caneta e escrevo meu Desabado Contido, sendo caótico ou dramático, ele vai estar lá em alguma folha rabiscado.

[...] Toda mágoa velada é água parada e uma hora transborda. Você pode não entender se às vezes fico pelos cantos, um tanto quieta, recolhida, mergulhada no meu pranto. É que ele me liberta na hora no momento em que eu boto pra fora, o que já não me serve vai embora e assim, eu fico leve. ♫

Sei que muita gente não se expressa colocando no papel por muitos motivos como preguiça e até um rotineiro 'ah, deixa pra lá que depois passa' só que eu gosto quando tomam coragem e mandam textão para eu ler mesmo que seja as 3 da madrugada. Isso me faz sentir que ainda tem vida correndo dentro dos meus pulões, sabe? Eu sofro de uma coisa chamada: me importar com o que irão falar. Infelizmente aqui em casa ninguém apoia minha escrita e tão pouco as decisões que tomo. Tudo gera briga e quando menos percebo, o caos já está instalado e o clima fica extremamente pesado. Mas cara, se eu deixasse de importar um pouquinho, se eu deixasse de prestar atenção no que irão falar, em quais ofensas irão usar, eu talvez poderia ser um pouco mais feliz nesse meu mundo recluso dentro de casa. Eu, Priscila Sawa, não consigo.
Podem me chamar do que for mas depois que me recuperei dos surtos de síndrome do pânico e depressão, sinto que não sou aquela Priscila forte de antigamente. Ainda sou eu mesma, com as mesmas reclamações, piadas ruins e palavrões mas não com aquele vigor. Minha auto estima? Bom, ela não é das boas inclusive pelo fato de que sempre falo algo, já me voltam como resposta: "Ah não, uma pessoa gorda que nem você não pode opinar. Vai perder peso antes. Você é linda de rosto. Tu é gata mas é gorda. Se você não fosse gorda eu te chamaria para comer. Sai desse quarto e vai fazer caminhada. Vai trabalhar. Faculdade não dá futuro." e etc etc etc. Interferiu em mim? Sim, e muito, luto diariamente para não deixar esse novo monstro recém saído da toca não me tornar no que sempre falam para mim mas digo que é difícil, por isso me apeguei ao hábito de escrever. É por esse motivo que deixo mais um vídeo da DEBBIE MENEZES com um curta sobre O QUE VOCÊ NÃO QUER OUVIR, vale a pena dar um clique e assistir.

Cale a boca e me deixe respirar. Expirar e inspirar. É assim que se faz passar.

Mas enfim, quero falar de ma novidade que me surpreendeu positivamente no meio das pessoas que converso sempre que posso. Um dos meus amigos do facebook, o Marlom Lustosa — sim, o crush — havia me chamado no DM do Twitter perguntando se eu conhecia algum lugar onde ele poderia pegar uma ideia de estrutura de contos e eu, prontamente, já dei meu jeito de lotá-lo com links dos possíveis lugares em referências de textos criados na internet. Ele comentou comigo que havia iniciado um projeto em que inicialmente consistia em alguns contos mas que a ideia era liberar um livro para nós com uma pegada lovecraftiana sabe, então já sabem que ansiosa pra caramba, né? E então, quando acordei, o moço havia liberado o dito cujo no wattpad para matarmos a danada da curiosidade e eis uma breve sinopse sobre a história do crush Marlom:

"Em um mundo onde a humanidade já não vive em grandes cidades, mas pequenas colônias, as pessoas de dividem entre aquelas que vivem nas colônias protegidas e pelo exército e sua lei marcial, aquelas que preferem viver em colônias independentes, com as liberdades que as pessoas possuíam até alguns anos atrás e os rebeldes, aqueles que atacam diretamente o exército e mantém as colônias independentes vivas. Mas apesar de todas as diferenças todas possuem um único propósito: sobreviver ao novo mundo a partir das ruínas do anterior e sobreviver a cada nova noite."

É gente, [spoiler] vai ter sombras devorando corpos humanos sim [/spoiler] e se reclamar elas vão devorar vocês em sonhos. Eu, particularmente, achei interessante essa proposta inicial no conto mas ele não revela muita coisa, e conhecendo o sr. Marlom como conheço — falou a íntima — sei que ele fez de propósito só para nos deixar com um gostinho de quero mais daqueles bem docinho na boca. Digo que vocês irão se simpatizar com o Daniel de cara e como o conto é escrito em segunda pessoa da narração dá pra gente ler imaginando o próprio na nossa frente. É diferente dos que estou acostumada a ler já que minha área de escrita e hábitos de leitura é mais voltado para criaturas sobrenaturais como vampiros ou demônios, aqui o inimigo é invisível e arrisco dizer que é de origens naturais já que só ocorre quando anoitece então tem aquela pegada apocalíptica de sobrevivência que vamos notando conforme a leitura vai seguindo.
E caso vocês cliquem para ler achando que vai ter algo sensual como toques nos corpos alheios já falo para tirar o cavalinho da chuva porque aqui a sensualidade e outra coisa: sobreviva mais uma noite e depois nos conte o teu terror. Tem coisa mais gostosa e atraente que isso? Como sou uma pessoa curiosa, logo fui lotando-o de perguntas e como não estou autorizada a dar spoilers peço-vos paciência com o lançar dos textos, hehe. O Marlom tem influencias chamberianas numa mistura de Stephen King com uma mente anarco-poética e é portador de um livro completo com os contos originais de Lovecraft, leitor assíduo de tudo quanto é coisa boa e faz questão de mesclar isso em sua escrita então caso queiram ler a pequena parte do projeto, deixo-vos o link do Wattpad: O MUNDO RESULTANTE, por Marlom crush Lustosa.

Bom, é isso gente. Me digam, o que cês fazem quando o processo criativo está a todo vapor mas é em plena madrugada? Eu fico com o tablet ligado para não clarear a casa toda e deixo em rascunho para trabalhar na ideia posteriormente. Me contem tudo aí nos comentários porque aqui no blog Disse o Corvo vocês podem soltar o verbo. Ok? Agora deixa eu ir lá terminar de assistir uns filmes para depois fazer resenha procês. E me digam aí nos coments quantas vezes falei o nome do crush. Um beijo e um queijo. ♥

Comente

1. Espalhe amor, e não ofenda.
2. Diga ao Stitch, do Mushroomhead, que a boca dele está muito longe da minha.
3. Leia o post todo antes de comentar, não desvalorize o trabalho de quem criou.
4. Deixe seu bróguinho para eu visitar.
5. Assistam Black Sails, irão se apaixonar. ♥